Temporal causa estragos em 29 cidades do Rio Grande do Sul, diz Defesa Civil

Temporal causa estragos em 29 cidades do Rio Grande do Sul, diz Defesa Civil

Notícias RS
Typography

Montenegro, Ijuí e Cruz Alta foram os municípios mais prejudicados. Órgão contabiliza mais de 1,1 mil residências destelhadas no estado, além de danos em escolas e ginásios.

 

Montenegro foi uma das cidades mais prejudicadas no temporal (Foto: Defesa Civil/Divulgação)

 

forte temporal que atingiu parte do Rio Grande do Sul entre a tarde e a noite de domingo (1) causou estragos em pelo menos 29 cidades, informou a Defesa Civil nesta segunda-feira (2). Em boletim emitido no final da tarde, o órgão contabilizou mais de 1,5 mil residências destelhadas. Houve registro de danos ainda em ginásios e escolas.

Duas pessoas morreram – um homem na ERS-122, entre Santo Augusto e Ijuí, no Noroeste do estado, uma mulher em Sapiranga, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Milhares de clientes ficaram sem energia elétrica.

 

Em Porto Alegre, a tempestade foi a pior desde 29 de janeiro de 2016, quando a cidade sofreu diversos estragos. Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a velocidade do vento na capital chegou a 116,3 km/h.

 

Residências foram destelhadas na região das ilhas, e famílias precisaram ser levadas para casa de parentes. Foram registrados também pontos de alagamento, além de 32 quedas de árvores e nove quedas de postes.

 

 

Em Porto Alegre, um circo desabou perto do Estádio Beira-Rio com o temporal (Foto: Deise Freitas/Defesa Civil)

 

Cinco pessoas ficaram feridas, sem gravidade, no desabamento da lona de um circo nas imediações do Estádio Beira-Rio, na Zona Sul. Um concerto da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) foi interrompido e diversos materiais foram danificados. O prejuízo estimado é de R$ 200 mil.

 

Além disso, o teto do ginásio da Brigada Militar desabou com a força dos ventos, na Avenida Ipiranga. A reconstrução da estrutura deve custar R$ 950 mil, sem mão de obra. A informação é do laudo preliminar elaborado por um engenheiro da corporação, que apontou também que 50% do telhado do prédio, localizado na esquina com a Silva Só, foi danificado.

 

 

 

 

 

 

No interior, Montenegro, na Região Metropolitana, e Ijuí e Cruz Alta, ambas no Noroeste do estado, foram as cidades mais prejudicadas. A Defesa Civil calcula danos em cerca de 300 residências em cada um dos municípios, além de queda de árvores.

 

Pela manhã, o subchefe do órgão, tenente-coronel Jarbas Trois de Ávila, sobrevoou algumas regiões atingidas para avaliar a dimensão dos estragos. Os coordenadores regionais estão auxiliando os municípios no processo de possível decretação de situação de emergência.

 

Na tarde desta segunda-feira (2), havia cerca de 200 mil pontos sem luz no estado. Nas áreas atendidas pela RGE eram 75 mil imóveis, na RGE Sul, 105 mil, e na da CEEE, 21 mil.

 

Qualquer informação ou pedido de auxílio pode ser encaminhado à Defesa Civil Estadual pelo telefone 199.

 

FONTE: G1 RS